domingo, 31 de agosto de 2008

Evita a reflexão profunda

El General Perón ha dicho que no sería posible el Justicialismo sin el sindicalismo. Y esto es verdad, primero porque lo ha dicho el General Perón y segundo, porque efectivamente es verdad”.

Eva Duarte Perón, in "La Razón de mi Vida"

Liga Sagres

Aí estão as 3 primeiras mines para o frigirífico da Solum.

Será que este ano vamos encher rapidamente 2 grades?

O meu amigo é leão?

Ah leão!
E os biolinos....

sábado, 30 de agosto de 2008

Jogos de Setembro - I


















Descobre as diferenças. Ou as semelhanças.

Prémio: Uma grade de mines, ou duas vá lá, para a melhor resposta.

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Novo reforço



Uma descoberta do nosso olheiro Dr. José Buzinas

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Estados Unidos, 2 - Rússia, 2

Para os comandados de W. Bush marcaram Iraque à passagem da meia hora, através de uma grande penalidade inexistente, e ampliou a contagem sobre o minuto 45 Kosovo, num lance de claríssimo fora de jogo.
Na segunda parte por banda do da dupla Putin/Medveded marcaram Geórgia, que antes de rematar para o fundo das redes ajeitou o esférico com a mão, e sobre a hora empatou Ossétia, numa jogada em que a bola não ultrapassa a linha de golo.

domingo, 24 de agosto de 2008

Mais do mesmo

Tourizense de Porcalhota, 1 - Tourizense da Solum, 0

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

O Espião Que Vai Para O Quente

O Tatebitate.blogspot.com revela, hoje, em primeira mão o cérebro - e o músculo - do Echelon.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

O Papa de Boliqueime

Definitivamente, este não é o meu Presidente, nunca o foi e nunca o será. A ética republicana obriga-me a reconhecer-lhe total legitimidade para exercer o cargo para o qual foi eleito pela maioria, dos votantes, do povo português mas não tenho qualquer tipo de afinidade com ele, nem política nem cultural.
O veto político à Lei do Divórcio aprovada pela Assembleia da República é mais uma demostração do seu carácter reaccionário e uma cedência aos sectores mais conservadores e confecionais da nossa sociedade. Ele tinha, para com esta gente, uma dívida por saldar, porque foi "obrigado" pelo povo, em referendo, a promulgar a Lei da Interrupção Voluntária da Gravidez.
Chegou a altua de separar as águas, a cohabitação é insustentável, a ruptura polítia, ideológica e cultural tem que ser assumida. O confronto entre Esquerda e Direita, entre São Bento e Belém não pode mais ser evitado sob o risco de termos mais Boliqueime por mais um mandato.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Prognósticos

Quem irá vencer o primeiro joga da Liga Sagres, o vice presidente da Académica ou o representante do conselho fiscal do Estrela?
Um empate é o vaticínio do presidente do Tourizense.

domingo, 17 de agosto de 2008

Tirem-me desta afilção! Questiona Maria da Glória.

Não, não sou o único tem sido o refrão mais ouvido, neste defeso, na Academia Dolce Vita que grande fita...

sábado, 16 de agosto de 2008

Eu sou uma princesa

Estava em campo a selecção feminina espanhola de basquetebol, e nas bancadas o príncipe Felipe de Bourbon assistia ao jogo com a sua mulher, Letizia, junto de jornalistas espanhóis.

A princesa, que também já foi jornalista, conversava com os ex-colegas, e não reconhecendo um deles perguntou-lhe de que órgão de comunicação era.


O jornalista, habituado à questão, muito frequente quando se juntam jornalistas de várias proveniências, respondeu imediatamente, mas devolveu a mesma questão a Letizia: «E tu?».


Segundo contaram outros jornalistas presentes, a princesa ficou incrivelmente surpreendida e exclamou: «Eu sou uma princesa!».


Pouco depois, o futuro rei de Espanha abandonou o campo com a princesa.

Para a colecção de Gardel

Amigo Carlos, já tem este Prof. no seu espólio?

Pergunta de silly season

Porque carga d'água os certificados internacionais dos jogadores que contratamos nunca chegam a tempo e horas?

Sob o Signo das Tágides

...Fazes-me lembrar um fado de Vieira, que eu ouvia no cabaret Maxime...

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

António donde???????

De BALASAR!!!!!!!!!!

Viaggio in Italia

Sempre podiam trazer de lá una piccola Isabella, o tio Tó Né iria ficar todo babado.
Boa viagem e boas férias. Divirtam-se.


Che bella cosa na jurnata 'e sole,
n'aria serena doppo na tempesta!
Pe' ll'aria fresca pare gia' na festa...
Che bella cosa na jurnata 'e sole.

Ma n'atu sole
cchiu' bello, oi ne'.
'o sole mio
sta 'nfronte a te!
o sole, o sole mio
sta 'nfronte a te!
sta 'nfronte a te!

Lcene 'e llastre d'a fenesta toia;
'na lavannara canta e se ne vanta
e pe' tramente torce, spanne e canta
lcene 'e llastre d'a fenesta toia.

Ma n'atu sole
cchiu' bello, oi ne'.
'o sole mio
sta 'nfronte a te!
o sole, o sole mio
sta 'nfronte a te!
sta 'nfronte a te!

Quanno fa notte e 'o sole se ne scenne,
me vene quase 'na malincunia;
sotto 'a fenesta toia restarria
quanno fa notte e 'o sole se ne scenne.

Ma n'atu sole
cchiu' bello, oi ne'.
'o sole mio
sta 'nfronte a te!
o sole, o sole mio
sta 'nfronte a te!
sta 'nfronte a te!

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Faz hoje 20 anos

Madrugada de 14 de Agosto de 1988, morria o grande construtor e nascia, definitivamente, o mito. O Homem que marcou uma época no desporto, e no sonho, automobilístico. Aquele que nunca saia de Maranello mas era uma lenda viva em todo Mundo.
São muitos os episódios que marcaram a sua vida e em que demonstrava o seu carácter muito particular, provavelmente o génio que só os génios têm. Há um, em particular, que marca bem como a marca que ele construiu é uma vencedora em todos os capítulos: um dia o Presidente da República Italiana, Sandro Pertini, foi visitá-lo a Maranello, Enzo Ferrari esperava-o há meia hora à janela, quando avistou a comitiva presidencial sentiu um murro no estomago, a suprema traição, o Presidente apresentava-se num Maserati, a marca arquiinimiga de Ferrari, Enzo recebeu o Presidente cordialmente mas não de forma afectuosa; hoje a Maserati pertence à Ferrari, Enzo não sobreviveu para ver isso, mas sei, que esteja onde estiver, que lhe deu muito gozo, talvez tanto como as vitórias do seu menino Gilles Villeneuve.
Grazie tanti Ingegniere.

domingo, 10 de agosto de 2008

Prapawadee Jaroenrattanatarakoon

Com um nome destes qualquer um(a) é medalha de ouro em Pequim.

A irrelevância cavaquista

Por Clara Ferreira Alves, no Expresso
«DESDE QUE o Presidente Cavaco foi eleito ainda não lhe ouvi uma palavra de jeito. O Presidente alinhava umas palavras em forma de discurso, soletra umas solenidades de circunstância, meia dúzia de lugares-comuns da sensatez e outras tantas banalidades, junta uma pitada de preocupação social e vago fervor patriótico, acrescenta umas generalidades institucionais e já está. Analistas políticos esparsos e à míngua de assunto e de política, desempregados de um regime sem ideologia, pragmático e material, que não pensa, não discute, não argumenta e apenas age e reage, tentam desesperados encontrar em Cavaco um pensamento, uma coerência ideológica ou, dada a necessidade de drama, uma ameaça.

Trabalhos ingratos porque Cavaco nada disto tem para dar. Nunca teve. A sua mediania coloca-o a salvo das grandes perplexidades contemporâneas e o seu desinteresse pela cultura política, ou outra, abrigam-no das interrogações que perturbaram Soares ou Sampaio, infinitamente mais cultos e mais cosmopolitas. Cavaco é o sucessor de Eanes sem a educação sociológica e histórica de Eanes. Ou seja, Eanes tornou-se um quase-intelectual com a passagem do tempo, e Cavaco permaneceu igual a si mesmo, modesto e frugal, limitado e deslocado, amarrado à âncora da sua ignorância. Cavaco detesta tempestades e mar largo, prefere porto seguro e águas calmas. Não seria o Presidente que eu quereria eleger, é o Presidente eleito. Tanto Manuel Alegre como Mário Soares teriam sido melhores Presidentes. Como dizem os cavaquistas conformados, Cavaco não tem mundo. O mal nem é este, o mal é que ele continua a não ter mundo. E o mundo não o tem a ele.

Daí os episódios paroquiais da viagem à Índia, com as queixas do «picante», ou as caricaturas de jornada onde Cavaco seja obrigado a descontrair e fazer humor. Não é o seu género. O seu género é a casa e a família, com umas incursões no país que ele genuinamente sente como seu, a seu modo. Um herói local. E um herói local incensado por um partido fundado por um homem forte e brilhante, Francisco Sá Carneiro. Um PSD que nunca encontrou substituto para o fundador e confundiu pequenas manifestações de autoritarismo e irritação com autoridade e carisma. O PSD inventou Cavaco: barões e intelectuais, bases e cúpulas, populistas e elitistas inventaram um chefe que foi rodar o carro à Figueira da Foz. Ele foi - de facto - rodar o carro à Figueira da Foz e o partido fez o resto. Faz lembrar um filme de Hal Ashby, adaptado de um romance de Jerzy Kozinsky, que conta a história de um homem simples e dado a pequenos aforismos, o jardineiro Mr. Chance, que ascende a Presidente dos Estados Unidos por um conjunto de circunstâncias. «Being There», ou «Bem-vindo Mr. Chance». É a obra-prima do grande Peter Sellers.

Passava-se aquilo num tempo em que Portugal e o mundo eram mais simples e da Europa escorria leite e mel. Cavaco administrou a fortuna misturando a parcimónia e o escrúpulo moral com a amoralidade e a rapina de negociantes políticos que ascenderam a milionários graças ao Estado. Foi um período de fartar vilanagem, e chegou para todos e para duas maiorias absolutas. O currículo académico de Cavaco, um economista mediano, ajudou-o num tempo em que começava o primado da economia sobre a política e em que o défice entrou no léxico nacional. Desígnio para o país Cavaco nunca teve, e plano para o famigerado «desenvolvimento» também não. Ninguém soube ou quis saber o que seria de Portugal daí a vinte anos porque a política portuguesa caracterizava-se pela miopia e o resultado eleitoral. O curto prazo. Pagamos hoje, duramente, as consequências desta ignorância. Sempre imaginei, academicamente, o que teria achado Sá Carneiro do seu sucessor.

O mundo entretanto mudou e o estatuto de Cavaco também. De primeiro-ministro activo passou a Presidente corta-fitas. É um lugar onde ele não faz o dano que faria como chefe do Executivo. As suas inexistências ontológicas continuam, com certa ternura, a mobilizar oráculos e análises com tanto rigor como a astrologia. Ler o desígnio de Cavaco é como ler o horóscopo. Interpretar o seu silêncio é como olhar para as estrelas. Um passatempo inofensivo que se tornou profissão. Os pequenos anúncios dos jornais estão cheios de sábios e professores que lêem o destino alheio. Inventaram a coabitação, como agora inventam o ódio. Nem Sócrates nem Cavaco têm a profundidade que os politólogos desocupados lhes querem atribuir. Embora Sócrates navegue em águas mais fundas que Cavaco. Por tudo isto, devo ser uma das pessoas que não sentiu irritação com o discurso de Cavaco sobre o estatuto político-administrativo dos Açores. É mais uma cena paroquial e uma anedota de Verão. Não estava à espera que ele fosse falar sobre o mundo complexo em que vivemos e vamos viver, com a perspicácia e a inteligência de um homem de Estado. Podemos tirar o rapaz de Boliqueime mas não podemos tirar Boliqueime do rapaz, dir-se-ia com crueldade. O Presidente Cavaco é um rapaz de Boliqueime e isso não é uma coisa boa. Nem má. É o que é. Num grande país europeu como a França, a Alemanha ou a Grã-Bretanha, Cavaco seria um apêndice, nunca um órgão político

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Cavaco não quer aviões por cima da cabeça

we have kaos in the garden
Por cima da região de Albufeira não há aviões. A ordem foi dada pelo Presidente da República, que se encontra de férias na praia de S. Rafael, segundo a edição desta quinta-feira do Diário de Notícias. Fonte da presidência recusou ao jornal tecer qualquer comentário, «por razões de segurança». Algumas empresas de aviação estão a sentir-se afectados pela restrição.
A ordem de limitação de voos na região foi emitida para todo o mês de Agosto, numa interdição inédita. O responsável pelo Gabinete Coordenador de Segurança, Leonel Carvalho, disse ao Diário de Notícias que o Presidente da República, «em consequência do próprio cargo, representa um grau de ameaça permanente, daí que tenha segurança pessoal. E tem também legitimidade para solicitar outras medidas de segurança que considere necessárias».
O responsável admitiu ainda que a privacidade do Chefe de Estado e a limitação de paparazi poderá estar na origem da medida. «As férias dos famosos atraem muito helicópteros carregados de fotógrafos», disse. «Naqueles aviões que passam por cima das cabeça das pessoas pode ir muita gente. É natural que o PR, com a sua família, deseje reserva em tempo de descanso».
Já as empresas de publicidade e de fotografia aéreas, queixaram-se da proibição, que obriga os aviões ao chegar à praia dos Salgueiros a deslocarem-se dois quilómetros para o mar ou para Norte. «Quem consegue ler a uma distância de dois quilómetros?», questionaram empresários contactados pelo jornal, numa referência à publicidade aérea.

domingo, 3 de agosto de 2008

Choque tecnológico

esectv

Zédu aderiu ao choque tecnológico, segundo rezam as crónicas do site do regime.

Com tanta inovação qualquer dia ainda fazemos um campeonato tranquilo!

sábado, 2 de agosto de 2008

Parabéns

Faz hoje 40 anos.

Life on Mars?



It's a God awful small affair
To the girl with the mousey hair,
But her mummy is yelling, "No!"
And her daddy has told her to go,
But her friend is no where to be seen.
Now she walks through her sunken dream
To the seats with the clearest view
And she's hooked to the silver screen,
But the film is sadd'ning bore
For she's lived it ten times or more.
She could spit in the eyes of fools
As they ask her to focus on


Sailors
Fighting in the dance hall.
Oh man!
Look at those cavemen go.
It's the freakiest show.
Take a look at the lawman
Beating up the wrong guy.
Oh man!
Wonder if he'll ever know
He's in the best selling show.
Is there life on Mars?


It's on America's tortured brow
That Mickey Mouse has grown up a cow.
Now the workers have struck for fame
'Cause Lennon's on sale again.
See the mice in their million hordes
From Ibiza to the Norfolk Broads.
Rule Britannia is out of bounds
To my mother, my dog, and clowns,
But the film is a sadd'ning bore
'Cause I wrote it ten times or more.
It's about to be write again
As I ask you to focus on


Sailors
Fighting in the dance hall.
Oh man!
Look at those cavemen go.
It's the freakiest show.
Take a look at the lawman
Beating up the wrong guy.
Oh man!
Wonder if he'll ever know
He's in the best selling show.
Is there life on Mars?