sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Páris?



A oscilação entre o psicodrama freudiano de Woody Allen e o épico "subversivo" de David Lean revela, afinal, uma personalidade bem mais complexa que aquela que a mãe de Melanie Griffith representou no filme de Hitchcock.

Vicky Cristina Barcelona parece, por momentos, ter um toque bem feminino, talvez por isso tenha escolhido um realizador que, só por si, é um bom divã.

Dr. Jivago tem todos os traços de uma personagem masculina; parecendo-me ter sido "criado" para ser ele o psicoanalista de Vicky.

Com tanta mistura de géneros cinematográficos parece-me um argumento saído da mente de David Lynch, como ele, ao que julgo saber, não domina o português, atrever-me-ia a dizer que todo este enredo só poderia ter saído da imaginação de uma velha personagem que durante largos meses intrigou todo um blog: Páris.

22 comentários:

A fuga das galinhas disse...

Na cena final de Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (Annie Hall, 1977), Woody Allen lembra uma piada antiga. Um homem diz a um psiquiatra: "Doutor, meu irmão é maluco, ele pensa que é uma galinha". O médico diz: "Então, porque você não o interna?". Ao que Allen responde: "Bem, eu internava-o, mas acontece que preciso dos ovos". À piada segue uma pequena, porém brilhante, reflexão: "Assim é como me sinto sobre relacionamentos, eles são completamente irracionais, malucos, absurdos, mas continuamos, insistimos porque a maioria de nós precisa dos ovos".

Absolutamente coerente com a "filosofia dos ovos", depois de tantos anos esmiuçando os paradoxos do romance, Woody Allen ainda tem muito o que dizer sobre a irracionalidade, a maluquice, os absurdos de um relacionamento amoroso.

Vicky Cristina Barcelona tem esse mesmo leitmotiv. Mas o tratamento é outro. Há uma leveza maior sem, no entanto, banalizar ou simplificar as emoções das personagens. Talvez o tempo tenha amenizado a angústia e o director e roteirista tenha compreendido que algumas coisas nem sempre podem ser analisadas de forma racional e cartesiana. Às vezes, nem um analista ajuda.

Isso parece ser dito na abertura do filme. E é dito de forma alegre, quase descompromissada, graças à saltiante música-tema "Barcelona", de Giulia & Los Tellarini, que pergunta: "Por que tanto perde-se/Tanto buscar-se/Sem encontra-se?".
Vicky (Rebecca Hall) é centrada, prática. Cristina (Scarlett Johansson) é o oposto: impulsiva, meio-artista. Em Barcelona, no verão, as duas visitam os cartões postais da cidade, vagueiam pelas ruas ensolaradas e numa noite conhecem Juan Antonio (Javier Bardem), um pintor que teve um divórcio conturbado da mulher, Maria Elena (Penélope Cruz), linda - e maluca.

O encontro entre as garotas e Juan Antonio parece dizer ao público: "bem, agora sim elas chegaram a Barcelona". Agora, sim, o filme começa. E é o que de fato acontece. Surgem então as observações espirituosas, o humor e as idiossincrasias tão caras ao director. Enquanto uma personagem se questiona se o amor autêntico é o que dá sentido à vida, outro pergunta com afectação a um casal de amigos se eles têm ideia de quanto custa um tapete oriental.

Como diria um especialista em metafísica transcendental que não acredita na conquista da Lua, o mundo pode ser dividido justamente assim. Entre os que querem saber o que dá sentido à vida e os que se importam verdadeiramente com o valor de mercado de uma bela tapeçaria.
Vicky Cristina Barcelona é um dos filmes de verão mais charmosos dos últimos anos. E prova que não é preciso muita elucubração intelectual para absorver a cidade, sua estética, seu espírito. A beleza dela - assim, sem filtros, com todos os temperamentos catalães que tem a extravasar - está à distância de um toque.

Um divã em nova iorque disse...

Deita aqui

Beronia Reserva disse...

Oscar Wilde disse :"Tudo importa na arte, excepto o assunto."

Vicky Cristina Barcelona disse...

Oiga, belho guapito,me gustas mutxo pero no estarás hablando de ti?

Vicky Cristina Barcelona disse...

Por hablar en huevos te imbito a probar un tiquitito de mi tortilha de pimentos padron, bale?

Marquês do Sado disse...

Bolas, a fuga das galinhas já me contou a porcaria do filme.
Assim não vale, já não o vou ver.
Se bem que eu prefiro a legendagem à dobragem brasileira...

Marquês do Sado disse...

Bom, se o convite para comer a tua tortilla é para mim, aceito-o de bom grado.

António Kerez Metello disse...

QUE É O SEXO, AFINAL???

Segundo os médicos
é uma doença, porque acaba sempre na cama.

Para os advogados
é uma injustiça, porque há sempre um que fica por baixo.

Segundo os alentejanos
é uma máquina perfeita, porque é a única em que se trabalha deitado.

Segundo os arquitectos
é um erro de projecto, porque a área de lazer fica muito próxima da área de saneamento.

Segundo os políticos
é um acto de democracia perfeito, porque todos gozam independentemente da posição.

Segundo os economistas
é um efeito perverso, porque entra mais do que sai. Às vezes, nem se sabe bem o que é activo, passivo, ou se há valor acrescentado.

Segundo os contabilistas
é um exercício perfeito: entra o bruto, faz-se o balanço, tira-se o bruto e fica o líquido. Em alguns casos, pode ainda gerar dividendos.

Segundo os matemáticos
é uma equação perfeita. A mulher coloca a unidade entre parênteses, eleva o membro à potência máxima e extrai-lhe o produto, reduzindo-o à sua mínima expressão.

Segundo os psicólogos,
é fodido de explicar.

Vicky Cristina Barcelona disse...

Por supuesto!Ben-te!

Vicky Cristina Barcelona disse...

Señor Marquês, no hable mal de mi Lhe asseguro que no a bisto nada, que no sabe nadita de mi.Puedes benir a ber-me sin dobrajen. Passarás un bon bocadilho, te asseguro.

Marquês do Sado disse...

Yo me voy, yo me voy!
Hoi se voy!

Marquês do Sado disse...

Y ese bocadillo es de jamon crudo?

Vicky Cristina Barcelona disse...

Afinal, te bas a ver la pelicula o no?Se te bas no te boi a decir de antemno si es de tomate o de pescado. De acuerdo?

Marquês do Sado disse...

Mira, Vicky, yo tengo acá en la compu la peli, y yo ya la vi.
Por eso me podes decir de que es el bocadillo.
A mi me gusta de tortilla de papa, pero tambien sirve de jamon crudo.

Vicky Cristina Barcelona disse...

Pero que soy una niña, me tiengo q hacer de dificil.Que no pega bien me an ditxo mis papas...

Vicky Cristina Barcelona disse...

A bale que sea un bocadilho o una torilha?Te comes lo que quiera?

Vicky Cristina Barcelona disse...

Mira, me tiengo que me ir.Me estan iiamando del Castelo Lopes.Que boi a empecar a rodar. Un beso. Hasta mañana.

Marquês do Sado disse...

Yo como lo que venga!
La hambre és negra.
Peró es una lastima que te tengas que ir ya, pois yo me quede con ganas de provar tus bocadillo o mismo tu tortilla.
Un besito e un abrazo al Catello, andubimos juntos en el ejercito, combatimos los falangistas. El simpre com la camara en la mano.
Buen tipo...

Canal 18 disse...

El Calimero foi al coño a la Abelha Maia
Se beio, esporro-se, soyo-lhe la saia
Maia vaca de la poya
Fuelle, fuelle sin parar

Artista Bastos disse...

até diziam: lá vai o Castello com a câmara debaixo do braço...

Corsa rio dos Covões disse...

Mas isso era entre as Carlsberg, antes da sem alcóol ou depois desta?`
É só para saber se os taxistas se recusavam ou não a transportar o instrumento.

Velho Gosma disse...

Pede-se o especial favor ao Canal 18 que só comece a transmitir após a meia noite, ou então pode sempre escolher outra plataforma mais permissiva para difundir os seus conteúdos.

Já ao caro Marquês, não confundir com o apelido, quero lhe dizer que a fome é branca, ou então, à guisa da sua terra, é verde, ou melhor verde e branca.