quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

O que hoje é verdade, amanhã é mentira.

Por onde andará o autor da célebre frase, esse vulto da ética lusitana?
Será agora missionário e estará, junto com Walter Ferreira, a evangelizar os kikongos conterrâneos de N´Dinga?
Ou apenas andará desaparecido por ter apanhado nubueiro?

4 comentários:

Anónimo disse...

Fado
Chorar a tristeza bem
Fado adormecer com a dor
Fado só quando a saudade vem
Arrancar do meu passado
Um grande amor

Mas
Nao condeno essa paixao
Essa magoa das palavras
Que a guitarra vai gemendo também
Eu nao, eu nao pedirei perdao
Quando gozar o pecado
E voltar a dar a mim
Porque eu quero ser feliz
E a desdita nao se diz
Nao quero o que o fado quer dizer

Fado
Solucar recordacões
Fado
Reviver uma tal dor
Fado
Só quando a saudade vem
Arrancar do meu passado um grande amor

Mas nao conceno essa paixao
Essa magoa das palavras
Que a guitarra vai gemendo também
Eu nao, eu nao pedirei perdao
Quando gozar o pecado
E voltar a dar a mim
Eu sei desse lado que ha em nós
Cheio de alma lusitana
Como a lenda da Severa
Porque eu quero ser feliz
E a desdita nao se diz
O fado
Nao me faz arrepender
Porque eu quero ser feliz
E a desdita nao se diz
O fado
Nao me faz arrepender

Carlos Ramos disse...

Olhó Rui Reineta!

Luiz Felipe disse...

E o cão sou eu?
Eu é que sou o cão?

Queiróz disse...

Aqui não se desmente ninguém...